quinta-feira, 6 de setembro de 2012

2º Curso de Cerveja em Sorocaba



Olá pessoal!

Depois do sucesso do primeiro curso de cerveja caseira realizado em 2011, resolvemos repetir a dose e preparamos a versão 2012 do curso de cerveja caseira da Confraria Sorocaba. Para quem sempre desejou fazer e vivenciar as sensações de degustar a própria cerveja, essa é a hora! Um brinde à boa cerveja e aos novos cervejeiros de 2012! Prost!!!

****************************************************

Informações:

Local: Mercadão Campolim* / Sorocaba
Data: 11/11/2012 (domingo)
Horário: 10h00

Durante o curso:

º Apostila detalhada para acompanhamento do curso;
º Degustação de cerveja artesanal;
º Degustação de cerveja caseira;
º Certificado de conclusão
º Lanche da tarde
º Brassagem coletiva com participação dos alunos

Valor do investimento: R$ 250,00

Para mais detalhes:

Marcus Alves - 15. 8133.5898   |   ab.marcus@gmail.com
Alexandre Machado - 15. 9122.9666   |   alexandreopm@gmail.com
Reison Ferrari - 15. 3227.0346   |   info@cervejario.com

*** VAGAS LIMITADÍSSIMAS ***

* Local sujeito a alteração com aviso prévio.

*******************************************************

Apenas para relembrar, esses são os cervejeiros que fizeram o curso em 2011! Pessoal fantástico!

Depois da brassagem, uma pose para a foto =)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Zagorka - Da Bulgária para Sorocaba.

Olá amigos!

Finalmente, depois de longos meses sem postar nada - os motivos logo serão revelados para a alegria geral - volto a colocar algo nesse site que tanto me faz feliz! É verdade, não pretendo deixar esse espaço tão precioso sem minha atenção por tanto tempo novamente!

Volto escrevendo algo bem singelo, porém que vale como conhecimento geral sobre cervejas de outros cantos do mundo. Dessa vez falo sobre a Zagorka, a maior cervejaria da Bulgária, logo a mais consumida naquele país. Ela leva esse nome pois nasceu na cidade de "Stara Zagora" e além de produzir sua própria cerveja, também é responsável por boa parte das produções da Heineken no leste europeu, além de carregar em sua carta cervejas como Ariana, Gold, Stolichno, Amstel e Murphy´s.

Como consegui uma garrafa? Para minha alegria tenho amigos com hobbies esquisitos - como se não bastassem os homebrewers, rs - e que de vez enquando fazem viagens estranhas. Um deles, Rafael Martins é radio amador aqui de Sorocaba (muito em breve falo sobre esse figura aqui) e me trouxe uma amostra durante uma viagem "a trabalho" que fez ano passado em terras Bulgaras. Creio que não seja possível encontrar essa cerveja aqui no Brasil ainda.

Abaixo descrevo algumas impressões que tive durante a degustação:  

Cervejaria: Zagorka Brewery
Cerveja: Zagorka Lager
Estilo: American Lager (apesar de denominar a si mesma Bulgarian Lager)
País: Bulgária
Temperatura de servíço: 5°C
Armazenamento: garrafa de 500ml


Aparência: Cor dourado médio, tranlúcida, espuma com boa formação e média persistência.
Aroma: Malte, milho, baixa presença de lúpulo, diacetil e um suave residual da fermentação, muito discreto, porém estava alí.Infelizmente o "buquê" era fraco.
Sabor: Baixa presença de malte, lúpulo pouco presente e cereais não maltados. Sem complexidade.
Sensação na boca: Depois de beber meia garrafa é possível notar uma baixa adstringência, porém persistente. Apesar da baixa presença do lúpulo no sabor e no aroma, o amargor é bem presente e bastante duradouro na boca, talvez por usar extrato de lúpulo em vez da versão peletizada. É impossível não notar o dulçor, mesmo com corpo discreto, porém esse não se equilibra bem com o amargor.
Impressões gerais: Com excessão do amargor um pouco mais elevado, é uma cerveja sem muitos atrativos, no entanto representa o estilo. Dentro do possível se motrou pouco desequilibrada, com poucos defeitos - pelo menos pouco perceptíveis ao meu humilde paladar e olfato - e bem refrescante, talvez seu maior objetivo. O seu rótulo traz estampado o título "Premium", entretanto, para chegar a esse ponto, pelo menos ao meu ver, algumas coisas deveriam ser melhoradas, tais como utilizar mais malte e menos cereais não maltados, ter lúpulo mais presente no aroma, e um pouco mais de corpo. Uma nota? Não sei, talvez um 4, mas se levarmos em consideração as cervejas massificadas que temos a disposição no Brasil, os búlgaros estão melhores servidos - fato.

Um grande abraço a todos!

domingo, 17 de julho de 2011

quinta-feira, 19 de maio de 2011

1º Curso de Cerveja Caseira em Sorocaba

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

É isso aí pessoal! Mais uma novidade para quem é de Sorocaba e região, o 1º Curso de Cerveja Caseira ministrado pela Confraria Sorocaba. O curso é voltado para os iniciantes que pretendem se iniciar no mundo das cervejas especiais e produzir suas próprias cervejas em casa!

Não percam essa oportunidade! As vagas são limitadíssimas!
Abraço a todos.

domingo, 8 de maio de 2011

Mil motivos para conhecer Sorocaba: Cervejario

Cervejario durante o St. Patrck's Day.

Olá pessoal.

Começo hoje uma nova série. Como sorocabano que sou, orgulhoso da minha cidade, sotaque e costumes, inicio hoje a nova série de posts chamada "Mil motivos para conhecer Sorocaba". E não poderia deixar de começar o projeto sem falar do líquido mais precioso, saboroso e adorado no mundo todo: Cerveja.

Quando pensamos em cerveja em Sorocaba, logo vem a nossa cabeça um nome. Cervejario. Sim, além de ser um "beerstore" de primeira, trata-se, como diriam os alemães, do "Stammtisch" sorocabano da cerveja. O lugar onde amigos, amantes da cerveja e da cultura que a envolve se encontram para levar suas produções caseiras para degustações, além de saborear as centenas de rótulos a diposição na loja. Um ambiente super agradável, familiar e de bom gosto, muito bem gerenciado pelos proprietários Reison e Erica.

Visão inusitada para um dia inusitado: Logo na entrada, uma pequena caminhonte ocupava 3 vagas do estacionamento.

Um fim de semanas desses, estava de bobeira em casa, quando decidí tomar umas cervejinhas e pegar uma encomenda por lá. Eis que quando chego ao Mercadão Campolim, lugar onde o Cervejario se situa, me deparo com um "pequeno" carro estacionado. Não tinha como não chamar a atenção, pois tiveram que colocar o carro atravessado na vaga para que houvesse espaço para os outros manobrarem seus carros. Ninguém se arriscou a colocar o carro ao lado do "pequenino". Quando vi a cena, logo pensei "hoje o dia não vai ser normal". E não foi.

Ao chegar à loja, além dos anfitriões, alguns visitantes ilustres estavam por lá. Fernando Grone, degustador de cervejas de Sorocaba, bebericava uma cervejinha na bancada. João Arraiol e sua esposa, que residem em São Paulo, mas costumam visitar a loja para passar o tempo, degustar alguns rótulos e desfrutar do bom papo, vieram munidos de algumas supresas. E que surpresas.

Tsingtao, a lager mais popular da China.

O Fernando Grone também chegou com surpresa. Foi a Tsingtao, a cerveja mais consumida na China, e talvez, em função disso, a mais consumida no mundo. Quando vimos a cerveja não estavamos esperando muito dela, em função da tradição cervejeira praticamente nula que a china possui. Porém, ao sentir o aroma, já percebemos que havia coisas alí que não são observadas nas nossas cervejas. Sim, havia lúpulo evidente, e bem evidente. O sabor não surpreendeu, mas também se fez melhor do que as "cervejas" populares brasileiras. Bem refrescante e muito superior as nossas. Foi uma surpresa saber que até um povo sem tradição em cervejas, possui um rótulo melhor que TODAS as nossas controversas cervejas "massificadas". A pergunta que faço é "Fernando, onde diabos você arrumou essa cerveja?" ehehe...

As beldades do dia: Westvleteren 12 e 8.

João Arraiol apareceu munido até os dentes. Ele e sua esposa haviam retornado a poucos dias de uma viagem à Bélgica, onde conheceram algumas cervejarias e atrações relacionadas. Voltaram cheios de presentes de lá, e fizeram a alegria do pessoal presente na loja. Camisetas, aventais, abridores belgas, bonés (sim, agora sou membro do FBI - Famous Beer Inspector, rs)... mas a surpresa maior ficou por último. As famosas Westvleteren, cervejaria trapista belga situada na cidade de mesmo nome, produzida pela Abadia Sixtus. Uma cerveja "mítica" que muitos ainda não provaram, dada a dificuldade em se obter exemplares, vendidos apenas na abadia.

Reison preparou as taças e fez as honrarias.

Taças cheias e preparadas para o início dos trabalhos.

Não farei análises detalhadas sobre as cervejas, não é o intuito desse post. Mas vale dizer que a Westvleteren 8, uma Belgian Dark Strong Ale muito boa, não surpreendeu como o esperado. Achavamos que uma cerveja com tanta mítica fosse algo do outro mundo, e acredite, podemos encontrar rótulos melhores aqui o Brasil. Independente disso a experiência é única, pois se trata de uma cerveja que não provaremos tão cedo. No entando a Westvleteren 12 é impecável. Trata-se de uma Belgian Dark Strong Ale muito boa, e que faz júz aos elogios feitos nos fóruns de cerveja. Encorpada, saborosa, aromática na medida e com graduação alta, porém bem encaixada. Textura licorosa... Simplesmente fantástica.

Mais tarde, após as degustações, chega o cervejeiro caseiro Christian Ackerman (Cerveja Criyng' Dog), trazendo consigo sua cerveja de trigo, feita com técnicas de decocção. Também muito saborosa, provando que os cervejeiros de Sorocaba não estão para brincadeira. Além de tudo isso, contavamos com chope Bamberg "on tap" Weiss e Helles.

Foi um dia muito especial, como todos os que passo no Cervejario. Chego a ficar 7, 8 horas na mesinha, só jogando papo para o ar e degustando cervejas especiais. É um ótimo lugar, quase obrigatório, para quem vem visitar Sorocaba. O atendimento é super, além do "plus" de ser atendido por quem realmente sabe do que está falando. Os proprietários são cervejeiros caseiros (Neighbors Beer) e mandam muito bem nas receitas. Definitivamente você precisa conhecer o Cervejario.

Fica a dica.
Abraço a todos!